NOTA DE ESCLARECIMENTO - Hospital Regional de Tefé - Prefeitura de Tefé

NOTA DE ESCLARECIMENTO – Hospital Regional de Tefé

O Hospital Regional de Tefé, sofre com ataques de não haver médicos, na verdade, para ser mais preciso, essa acusação recai, sobre o setor de Emergência, pois setores como; Sala de Partos, Centro Cirúrgico, maternidade e outros, tudo tem funcionado na mais perfeita normalidade, mas o que estaria acontecendo então? Fomos atrás de resposta, afinal não nos acovardaremos, e sim estamos atrás de resolver e esclarecer o que for preciso, mostrando o compromisso e a seriedade dessa administração.

Em conversa com o Dr. Kreyne Queiroz, foi nos esclarecido quê: “Em nenhum momento faltou médico no Hospital, afinal na escala de plantão, sempre há: 01 cirurgião, 01 obstetra e 01 anestesista, em plantão 24 hrs, o que tem acontecido, devido à escassez de médicos, causado pela a saída de alguns médicos do Programa Mais Médicos, e outros que opinaram por municípios mais próximos a Manaus, gerou uma certa carência, desses profissionais em Tefé, porém problema esse que não se restringem ao nosso município, mas a todo país, sendo assim em alguns momentos, fica apenas 1 médico clínico “na porta”, carência essa que também tem atingindo a atenção básica, problemas que são ambulatoriais, estão se encaminhando para HRT, justamente para o setor de emergência, gerando uma sobrecarga do serviço”, afinal o atendimento não é por ordem de chegada, mas grau de emergência.

Um exemplo disso é que na terça-feira (9), após chegar de viagem o Dr. Kreyne Queiroz, teve de atender mais 60 pacientes, sendo que desse total, 55 eram ambulatoriais, ou seja, que não são emergências, e poderiam ser encaminhados aos postos de saúde, e apenas 05 de fato eram emergências, e também desse número total, 10 eram de outros municípios da redondeza. Outro problema que recai sobre o HRT que é atender a demanda de outros municípios, sendo que boa parte dos recursos para manter o Hospital vem da prefeitura, aproximadamente 1,2 milhões.

Então o que seria o melhor a se fazer? O melhor, seria implantar o “Protocolo de Manchester” que consiste em um sistema de triagem baseado em cinco cores: vermelho, laranja, amarelo, verde e azul, sendo vermelho representando os casos de maior gravidade, e azul os casos de menor gravidade. Esse sistema já é empregado mundialmente, sendo poucos hospitais ou clínicas que não aderiram a esse sistema, o cidadão que estiver com o azul, poderá esperar até 3 hrs, devido à pouca gravidade do caso, porém como o HRT há uma cultura da “Demanda Livre” por ser emergência, torna-se difícil para o médico dizer “não” ao paciente menos grave e também o próprio compromisso feito em juramento ao assumir a profissão, os poucos médicos que temos se veem em situação extremamente complicada, afinal, segundo relatos, já houve caso de médicos não poderem sair para o almoço ou mesmo para o ir ao banheiro, acusados de estarem enrolando, nesse caso, teríamos que contar com o apoio e a compreensão da população, que em casos menos grave, procure os Postos de Saúde de nossa cidade, que já está quase com o contingente de médicos completo.
Nesses casos vemos que o que tem faltado, é o exercício da alteridade, sabermos nos colocar no lugar do outro, seja no lugar do médico, seja de entender que em alguns casos, compreender que o “meu atestado médico” ou “meu Raio-x” não é tão importante quanto o senhor que está enfartando, ou a pessoa que está internada entre a vida e a morte no Hospital, necessitando de toda atenção, é isso, saber se colocar no lugar do outro, ser empático!

Essa administração, sonha em resolver todos os problemas de nosso HRT, mas sabemos que não será assim, sabemos que isso exige tempo, e compromisso de todos inclusive da própria população que utiliza o serviço, com coisas tão simples, como uso do Cartão SUS, ao se encaminhar a postos e ao próprio hospital. Porém o que está na medida do possível vem sendo feito: Busca de novos médicos, aumento dos salários para atrair mais médicos, chegada constante de equipamentos para funcionamento do hospital, como o Aparelho de Gasometria, que serve para medir o pH e as quantidades de Oxigênio (O2) e dióxido de Carbono (CO2) no sangue, extremamente importante para pacientes entubados esse equipamento que nunca houve em Tefé ajudará a melhorar muito a nossa saúde. Temos também a chegada do novo Raio-x, que para muitos, que acham que se adquire um aparelho desse, como se compra um produto de estiva no geral, onde encontramos em qualquer prateleira, se engana, pois essa administração é séria e todos os trâmites legais serão seguidos, pois tem que haver transparência com erário público.

Contamos com o apoio e a compreensão de todos, temos feito o possível e pedindo a Deus que nos ajude com o impossível, pedimos a população que acredite em nosso trabalho e que qualquer problema, nos procure, sentaremos e conversaremos e acharemos a melhor solução.

Deixe um Comentário