Curta a nossa página
Tefe
+27°C

Siga-nos nas Redes Sociais.

Informações:

(97) 9 8121-7911
rbrandao.semcom.pmt@gmail.com
21/08 16h48 2017 Você está aqui: Home / Cultura Raifran Brandão Imprimir postagem

Prefeitura promove o resgate da cultura tefeense

 

 

Adormecido há anos, o Festival Folclórico de Tefé despertou e trouxe para a Arena da Praça Remanso do Boto a força das manifestações culturais de nossa cidade. A estrutura de som, palco, arquibancada e iluminação completou o cenário. A instalação de banheiros químicos, reforço na segurança e as estruturas de apoio na organização do evento foram impecáveis. Com o trânsito bem redirecionado, limites de acesso bem definidos e a presença ostensiva da Polícia Militar e da Guarda Civil Municipal foram decisivas para a ausência de incidências de violência. Um Pronto Atendimento da secretaria de Saúde deu o suporte nas emergências.

O Portal de boas-vindas ao Festival deu uma dimensão antecipada de que ali se confirmaria um dos mais importantes eventos já realizado em Tefé, não apenas pela beleza e imponência de sua estrutura, mas, sobretudo, pela confirmação da intenção de finalmente se valorizar algo tão importante para a comunidade, a cultura. A discreta decoração do ambiente foi mais uma prova de que a sofisticação nem sempre é o diferencial da proposta. A presença de agentes de limpeza pública, sobretudo na Arena, revelou um cuidado especial da organização, que tem bons motivos para comemorar a repercussão pra lá de positiva do renascimento da cultura tefeense expressa na sua diversidade, criatividade e versatilidade.

Foi perceptível a alegria de expectadores, de ambulantes e dos amantes da cultura. Mas nada foi tão irradiante quanto a energia de quem viu no palco da Remanso do Boto o local ideal para expressar a sua arte e suas expressões culturais. Nesse item vale destacar a capacidade de criação, o amor, o empenho e o desejo simplesmente de estar ali fazendo pelo prazer de contribuir com a riqueza cultural de sua cidade. Pelo orgulho de representar bem o seu bairro, sua escola ou a sua comunidade.

É inevitável não reconhecer a beleza bem vestida, mas sensual no remelexo da Maria Bonita e da Mulher Rendeira, sobretudo do consagrado Cangaço da Escola Estadual Frei André da Costa, dos cantos nordestinos e da pisada forte de seus cangaceiros.

A 47ª edição do Festival Folclórico de Tefé deixará saudades das cores e personagens da rica obra de Monteiro Lobato interpretada na quadrilha da escola Antídio Borges Façanha. Na originalidade e no tom quase nostálgico e saudosista do Barqueiro da Missão; no ritual amazônico de lendas e tribos como Andirá e os Nativos, na irreverência de quadrilhas cômicas, na sensualidade do Carimbó, na expressão indígena da dança do Kri Kri; na força, alegria e intensidade dos brincantes das quadrilhas Os Furacões na Roça e Os Indomáveis, ambas do bairro de São Francisco.

Como se esquecer do forró pé de serra do Alder Calmon e da última apresentação do Festival, na implacável e tão esperada Dança Africana, capaz de manter acordados e levantar com aplausos entusiasmados expectadores que ficaram até o último minuto para contemplar um show de rituais afro e lembranças remontadas do fim da escravidão.

Com uma evolução e alegoria incontestáveis a apresentação da Dança Africana trouxe ao palco deuses e rituais que ficarão marcados na memória de que compareceu a um festival que certamente ficará marcado como o resgate da cultura tefeense e que trouxe na sua realização o jeito Normando de administrar. “Simples, objetivo e para o povo”. Normando que participou das quatro noites do Festival e que fez da arquibancada o seu camarote disse que as pessoas aos poucos estão começando a entender o seu governo e que com respeito às pessoas e as coisas públicas o município irá avançar.

Aberto oficialmente na quinta-feira, 17, com justas homenagens, a coordenação do evento, liderada pelo secretário de Turismo e Comércio, Cristopham Mota e o chefe do executivo tefeense, Normando Bessa de Sá fizeram menções honrosas e de reconhecimento aos emblemáticos e entusiastas da cultura Hélcio Queiroz e ao professor Antônio Rocha. Na presença de seus familiares eles foram reverenciados em discursos e com músicas de composição de artistas locais.

 

 

 

 

 

 


Comentários

Atenção! Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.